Infecções vaginais: Por que acontece comigo?

Prevenção de doenças

Grande parte das mulheres, ainda mais aquelas com vida sexual ativa, provavelmente já passaram pela incômoda situação de desenvolver uma infecção vaginal.

Causada por inúmeros fatores, essa infecção às vezes não requer muita preocupação, embora as mulheres, ao sentirem dor ou notar uma espécie de pus saindo de sua vagina, costumem entrar em pânico.

Mulher com infecção

Foto: © Depositphotos

Quando desenvolvemos essa espécie de doença, costumamos fazer uma espécie de retrospectiva dos nossos últimos dias, para detectarmos algo que possa ter motivado a infecção. Se o problema ocorrer mais de uma vez, então, é comum a mulher acabar se perguntando “por que isso acontece comigo?”. As respostas são variadas e você pode descobrir se há algo que se encaixe em sua situação:

Causas das infecções

As infecções vaginais podem ser causadas por fungos, bactérias ou protozoários.

Para ficar livre desses micro-organismos, a vagina precisa manter um nível de acidez, o pH, que irá impedir o crescimento desses seres que a habitam. Caso a acidez da vagina mude, os micro-organismos têm a condição ideal para um crescimento rápido e descontrolado, originando a infecção.

Durante os anos férteis, ocorre uma secreção vaginal branca, leitosa, aquosa ou semelhante ao muco. Principalmente originária do colo do útero ou da descamação das células vaginais, ela é conhecida como fluxo intermenstrual e sua quantidade e tipo varia durante o ciclo menstrual e de acordo com o estímulo sexual.

As causas mais comuns dessas infecções vaginais são:

• Estresse

• Fraqueza geral

• Desnutrição

• Mudanças hormonais (menopausa, gravidez)

• Irritação vaginal

• Duchas vaginais

• Pílulas anticoncepcionais

• Sexo

• Tratamentos com antibióticos e outros medicamentos que alteram a flora vaginal normal

Recomedações

Há algumas recomendações gerais para o tratamento de infecções vaginais:

• Utilize apenas calcinhas de algodão, evitando tecidos sintéticos.

• Evite relações sexuais, que podem irritar ainda mais as paredes vaginais, já em processo inflamatório.

• Seu parceiro também deve iniciar um tratamento, assim que for identificada a infecção. Isso evita que vocês possam se contaminar novamente, um ao outro.

• Mantenha a área ao redor da vulva seca, pois a umidade ajuda no crescimento do fungo.

• Alimente-se principalmente de grãos, sopas e vegetais, e evite comer carne.

Antes de iniciar um tratamento, vá ao médico e faça um diagnóstico correto do tipo de micro-organismo que foi responsável por sua infecção. Apenas a partir disso será possível analisar a causa e definir o tratamento adequado, evitando que a doença volte a aparecer.

Como evitar

• Diminuir a presença de açúcares e alimentos refinados em nosso organismo ajuda a evitar infecções.

• A fim de repor a flora intestinal, tome suplementos de Lactobacillus aadophilus, um a cada refeição, durante um mês.

• Após uma infecção, reponha a flora vaginal inserindo na vagina uma cápsula de Lactobacillus aadophilus à noite, antes de dormir, durante duas semanas.

Solução Vaginal de Ervas

A inibição do crescimento excessivo dos fungos pode ser feita com uma infusão forte de tomilho, alecrim e salva, que possui propriedades antimicrobianas e adstringentes, atenuando a irritação dos tecidos:

– 375 ml de água fervida
– 2 colheres (chá) de tomilho seco
– 1 colher (chá) de alecrim seco
– 1 colher (chá) de salva seca

Preparo: Jogue a água sobre as ervas, tampe o recipiente e deixe em infusão por 20 minutos. Coe a mistura e a utilize como solução de limpeza vaginal duas vezes por dia.

Por Franciele Bueno
Redação Dona Giraffa
Foto: Divulgação

Confira também

# Coceira vaginal: entenda o motivos
# Corrimento esverdeado, qual motivo?
# Como prevenir a infecção urinária

Publicidade

2 comentários

  • DELVANIA COSTA disse:

    EXCELENTE MATÉRIA!

    Responder
  • Raquel disse:

    Olá!
    Parabéns pelo blog, é realmente muito bom!!!!
    Por gentileza, estava tentando achar as cápsulas de lacitoballus aadophilus e não encontro, por acaso o lactobacilus “acidophilus” seria a mesma coisa?
    Obrigada e mais uma vez Parabéns!!!

    Responder

Deixe seu comentário