Já não fazem mais namorados como antigamente

Relacionamento

Ontem eu estava conversando com algumas amigas sobre os namoros de hoje em dia, nesta conversa, analisamos que os jovens estão muito mudados atualmente. Hoje é comum andar na rua e ver crianças que apenas começaram a entrar na adolescência terem relacionamentos prematuros, não só adolescentes, mas cada dia se torna mais comum a troca instantânea de parceiros, como se não fosse mais importante cultivar os sentimentos e o compromisso com o outro.

Hoje um, amanhã outro e assim por diante. Quantas vezes já ouvi minha mãe assistindo e se perguntando, o que há de errado com essa juventude? Infelizmente eu também não sei. Antigamente os namoros também eram prematuros, minha avó e meu avô casaram muito jovens com 14 e 15 anos, mas nem por isso era essa “pegação”, o negócio era só pega na mãozinha, os beijos, abraços e “amassos” só depois do casamento.

Mas a televisão chegou e com ela o colorido do mundo a fora. Novas ideias, novas opiniões e nada de planejamento familiar ao longo prazo ou planos para o futuro. O negócio que prevalece agora é o tal do ficar, nada de compromisso, nada de casar, ter filhos, nada de feriados recheados de parentes. A liberdade é a palavra da vez, e ela é sozinha, não trabalha em grupo, nada de amor, afeto, família ou qualquer outra coisa que necessite do próximo para a vida seguir em frente.

Os reflexos deste novo mundo liberal estão visíveis, maior índice de mães solteiras e mais jovens fazendo festa todos os dias. Casar agora virou motivo de piada e gozação, “olha lá aquele cara vai colocar a coleira e ainda assim vai virar chifrudo”. A essência do romantismo, da importância e de se desfrutar bons momentos e lembranças, estas já são raras de se ver.

É lógico que todo mundo coloca a culpa no desenvolvimento, na globalização, na mídia e na falta de vergonha na cara desta nova geração. Mas se a educação que vem do berço, aquela que era rígida e praticada pelos nossos pais e avós não continuar sendo exercida, vai acabar com o pouco que ainda resta de respeito e educação que está escondido no ser humano.

Um relacionamento verdadeiro torna as pessoas mais humanas, mais empáticas. É literalmente terapia domiciliar que ajuda no exercício da paciência, da descoberta de novos gostos e de uma perspectiva diferente, o afeto colabora com a convivência. É bom ter alguém por perto para dividir as angustias e achar alternativas para solucionar os problemas, isso facilita muito no nosso crescimento pessoal, não apenas ficar com alguém por ficar, pela simples atração, é só o tempo que ajuda a cultivar um sentimento que possa te fazer se sentir completo.

Por Aline Cristiane de Menezes
Redação Dona Giraffa

Confira também

# Porque homens e mulheres traem?
# Quando uma relação chega ao fim
# Sites de relacionamentos: funcionam?
# Ciúmes, amor ou sentimento de posse?
# Postura perante a traição na relação amorosa
# Acho que eu estou sendo traída, como saber?

Publicidade

40 comentários

  • T disse:

    E COMO Q AINDA EXISTE TRAIÇÃO QUANDO ENCONTRA-SE ALGUÉM PARA JUNTAR AS ESCOVAS?

    Responder
  • …. disse:

    TUDO CULPA DA MULHERADA MESMO, NAO QUERIAM MUDANÇA , AGORA AGUENTEM.

    Responder
  • carla disse:

    nem tudo esta perdido acho que depende muito d cada pessoa saber o que realmente e bom pra si e pro outro.e claro que se vc se respeita,se cuida,se ama,se valoriza.nao dara uma de arteiro(a)fkando com porcarias animais irracionais vivi por instinto o que nos difere e a capacidade de pensar.temos sentimentos cuidado com o que vc faz com os seus e com os dos outros

    Responder
  • H.C.T.T disse:

    Hora essa, esqueceu de citar que “na época da vovó” o casal se formava cedo, mas os caras irem pros prostíbulos e “fazerem a festa” com as mulheres da noite era totalmente “aceitável”. Como já disseram, divórcio era mal-visto, portanto a mulher ficava mais em casa, cuidando dos filhos, muitas vezes sofrendo com a violência do marido.

    Quando chegou o momento das mulheres realmente trabalharem fora e se separarem mais tranquilas, ao invés de tomarem isso como a oportunidade de ouro pra encontrarem o parceiro ideal resolveram banalizar. Dar geral, pegar geral, danem-se as amarras. Parece um “trauma genético”. Como sofreram muito em relacionamentos longos no passado, hoje só querem curtir o “agora” com um, dois, três…

    Já os homens, muitos aprenderam a dar mais valores às mulheres, mas encontram muito as que enganam, trapaceiam, porquê acham que isso lhes é de direito. As mulheres que valorizam a si e ao próximo e que sabem ser sinceras para não desiludir o outro, por sua vez, encontram inúmeros cafagestes e perdem a esperança em encontrar alguém que lhes respeite de verdade.

    Mas uma coisa é certa: o machismo é, em grande parte, causado pelas mulheres. Mulheres que não se educam e não educam seus filhos. Por mais que os pais (homens) sejam também responsáveis, ainda é muito comum que filhos passem a maior parte do tempo com as mães. Se estas não sabem construir as próprias vidas, novas mentes femininas e masculinas “tortas” surgem. Alguns se acertam com o tempo, vendo exemplos na sociedade. Mas não dá pra descartar que a imagem da “mãe” ainda é importante e possui muito peso. Sorte daqueles que conseguem ter uma “mãe” e/ou “pai” que lhes dê boas noções de respeito para a vida.

    AINDA existem homens bons e respeitosos, EXISTEM mulheres boas e respeitosas. Para que se encontrem, é necessário deixar essa “pressa” social de lado. Não é obrigatório chegar aos 25 casada com o príncipe/princesa da sua vida. Realmente as pessoas precisam ser mais calmas, já basta a correria do trabalho e do estudo.

    Abs!

    Responder
  • Junior disse:

    Eu concordo plenamente com o texto…
    só nao entendi o porque do titulo ser “Já não fazem namorados como antigamente”.
    O namoro é feito por duas partes, duas opniões…
    Acho injusto responsabilizar o homem pela futilidade dos relacionamentos atuais. Tanto o homem quanto a mulher têm a mesma parcela de culpa afinal a ‘pegação’ está nos dois lados!

    Responder
  • Ricardo disse:

    Se for ver, o erro está nos dois lados, os homens só querem pegar pra falar que pegou/transou com tantas… as mulheres idém…
    Ambos os lados tb não sabem mais escolher, só querem pessoas bonitas, não importa mais o jeito de cada um…
    Casamento tb já não é garantia de nada, pois dura muito pouco tempo…

    Pra resumir: O MUNDO JÁ ERA!!!
    Rezo pra que em 2012 aconteça algo muito grande no planeta: extinguir essa raça de humanos que não pensam mais!!!

    Responder
  • Sim disse:

    Mulher quer rodar com geral e depois achar um troxa pra casar.

    Hoje em dia homem e mulher estão quase equiparados, falta valores, que pelo visto não irão voltar.

    Muito triste ver formadores de opnião exagerando na putaria nobre para audiência dos pais (outros lixos) enquanto a criança assiste acreditando que aquilo é normal, então cresce e vira mais uma piriguete.

    Responder
  • Matheus Farizatto disse:

    Aline, eu discordo. Belo texto, mas não concordo mesmo.

    Da forma que você coloca parece que as pessoas só serão “boas” ou saberão o que é o “amor” se conhecerem alguém, namorarem mais de quatro anos e se casarem para passar os feriados na família um do outro. Nem.

    Concordo que “crianças” hoje se “pegam” nas esquinas. Precoce mesmo. Mas voltando a questão de “relacionamento”, hoje, as pessoas tem mais opção e liberdade para se arriscar e experimentar em vez de acatar o que a sociedade impõe: casamento, filhos, netos e morte.

    “Só o tempo que ajuda a cultivar um sentimento que possa te fazer se sentir completo”, e isso não quer dizer que você deve estar em um namoro ou casamento. Temos que ser completos sozinhos, com ou sem alguém.

    Bjos!

    Matheus

    Responder
  • Bru disse:

    Acho que o Nelson disse tudo.

    Responder
  • Paulo disse:

    Bem! Pelo titulo, “não se fazem mais namorados como antigamente”, eu entrei pra ver dicas do que minha namorada ia possivelmente gostar, pois pelo titulo é como se “os homens” estivessem mudado.
    Hoje também você não ver mais mulheres como antigamente, que se da o respeito, muitas querem ser uma “gaiola das poposudas”.
    Mas veja por um lado bom: todos aqui percebem a mudança e queriam voltar o costume de antigamente, ou seja, tem pessoas que liga pro sentimento.

    Responder

Deixe seu comentário