Já não fazem mais namorados como antigamente

Relacionamento

Ontem eu estava conversando com algumas amigas sobre os namoros de hoje em dia, nesta conversa, analisamos que os jovens estão muito mudados atualmente. Hoje é comum andar na rua e ver crianças que apenas começaram a entrar na adolescência terem relacionamentos prematuros, não só adolescentes, mas cada dia se torna mais comum a troca instantânea de parceiros, como se não fosse mais importante cultivar os sentimentos e o compromisso com o outro.

Hoje um, amanhã outro e assim por diante. Quantas vezes já ouvi minha mãe assistindo e se perguntando, o que há de errado com essa juventude? Infelizmente eu também não sei. Antigamente os namoros também eram prematuros, minha avó e meu avô casaram muito jovens com 14 e 15 anos, mas nem por isso era essa “pegação”, o negócio era só pega na mãozinha, os beijos, abraços e “amassos” só depois do casamento.

Mas a televisão chegou e com ela o colorido do mundo a fora. Novas ideias, novas opiniões e nada de planejamento familiar ao longo prazo ou planos para o futuro. O negócio que prevalece agora é o tal do ficar, nada de compromisso, nada de casar, ter filhos, nada de feriados recheados de parentes. A liberdade é a palavra da vez, e ela é sozinha, não trabalha em grupo, nada de amor, afeto, família ou qualquer outra coisa que necessite do próximo para a vida seguir em frente.

Os reflexos deste novo mundo liberal estão visíveis, maior índice de mães solteiras e mais jovens fazendo festa todos os dias. Casar agora virou motivo de piada e gozação, “olha lá aquele cara vai colocar a coleira e ainda assim vai virar chifrudo”. A essência do romantismo, da importância e de se desfrutar bons momentos e lembranças, estas já são raras de se ver.

É lógico que todo mundo coloca a culpa no desenvolvimento, na globalização, na mídia e na falta de vergonha na cara desta nova geração. Mas se a educação que vem do berço, aquela que era rígida e praticada pelos nossos pais e avós não continuar sendo exercida, vai acabar com o pouco que ainda resta de respeito e educação que está escondido no ser humano.

Um relacionamento verdadeiro torna as pessoas mais humanas, mais empáticas. É literalmente terapia domiciliar que ajuda no exercício da paciência, da descoberta de novos gostos e de uma perspectiva diferente, o afeto colabora com a convivência. É bom ter alguém por perto para dividir as angustias e achar alternativas para solucionar os problemas, isso facilita muito no nosso crescimento pessoal, não apenas ficar com alguém por ficar, pela simples atração, é só o tempo que ajuda a cultivar um sentimento que possa te fazer se sentir completo.

Por Aline Cristiane de Menezes
Redação Dona Giraffa

Confira também

# Porque homens e mulheres traem?
# Quando uma relação chega ao fim
# Sites de relacionamentos: funcionam?
# Ciúmes, amor ou sentimento de posse?
# Postura perante a traição na relação amorosa
# Acho que eu estou sendo traída, como saber?

Publicidade

40 comentários

  • Ab disse:

    Nem namoradas né… Mulher fiel e sensivel virou coisa de cinema, hj em dia a maioria só dá ideia pra homem rico e estão sempre a procura de um ‘upgrade’ de relacionamento.

    Responder
  • Ivan disse:

    Antigamente só o homem queria só pegação….hoje em dia as garotas só procuram rostinhos bonitos e corpinhos sarados, e depois ficam reclamando de relacionamentos vazios…

    Responder
  • thiago disse:

    vai pro islã então! case com 13 anos e seja feliz!

    Responder
    • Will disse:

      hsaushuahsuahsuahs

      Responder
    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk disse:

      Concordo com você.

      Responder
  • Rodrigo disse:

    Direitos iguais? Feminismo? Talvez explique alguas coisas que mudaram…

    Responder
  • Alfred disse:

    Belo texto, concordo com o ponto de vista da autora.
    Mas acreditem, tem muitos homens por ae que preferem ter uma namorada
    fixa e fiel doque sair pegando geral (agora não sei o que é mais dificil,
    uma namorada fiel ou um homem querer namorar sério).

    Responder
  • Cesar disse:

    Ahh.. preguiça de comentar..

    Responder
  • Lucas disse:

    Tudo culpa das mulheres.. Então não reclamem, dão e depois chorem sozinhas.

    Responder
  • Ysa Nunes disse:

    Realmente, muito bom texto e concordo plenamente.
    Eu estou com 21 anos e me casei aos dezoito. Minha atitude e do meu atual esposo foi extremamente criticada, por sermos muito novos e estarmos na idade de se divertir e ficar com mais pessoas. Bom, eu sou muito feliz ao lado dele e não me arrependo jamais de ter um companheiro a moda antiga.
    Não é pelo fato de sermos casados que deixamos de nos divertir. A certeza de ter um companheiro, um amigo e um amante o qual posso confiar e me divertir é algo difícil de se encontrar hoje e a verdade é que a maioria das meninas dessa mais recente geração não fazem a mínima questão.
    O amor verdadeiro está aí, é difícil encontrar, mas não abra mão dessa busca!

    Responder
  • Gustavo disse:

    muito interessante o texto, mas não da pra generalizar também. eu ainda acredito no amor verdadeiro, mesmo com o mundo do jeito que está, eu acredito ja ter achado o meu amor verdadeiro 😀

    Responder
  • aanada disse:

    “casaram muito jovens com 14 e 15 anos, mas nem por isso era essa “pegação”, o negócio era só pega na mãozinha, os beijos, abraços e “amassos” só depois do casamento.” olha eu nunca acreditei muuuuito nisso, mas realmente parece que essa geração tá meia perdida!

    Responder

Deixe seu comentário