Sintomas comuns da depressão pós-parto

O bebê chegou em casa cheio de saúde. Todos estão alegres. As visitas não param de chegar para conhecer o mais novo membro da família. A alegria contagiou a todos. Menos você que acabou de dar a luz.

Um misto de sensações e sentimentos como medo e tristeza constante. Vontade de chorar e, muitas vezes, o arrependimento por ter engravidado. Tudo isso pode ser resumido em um diagnóstico muito comum entre as mulheres: Depressão Pós-Parto.

depressão pós-parto

Foto: (c) Can Stock Photo

Fique atenta quanto ao que acomete essa doença e esteja pronta para enfrentar essa situação de maneira vitoriosa. Com calma, tratamento adequado e disposição para superar essa fase complicada, tudo dá certo e você poderá curtir a chegada do seu mais novo herdeiro com felicidade e saúde.

leia também:

Confira quais são as doenças mais comuns na gravidez
O que é gravidez psicológica: conheça os principais sintomas

Causas comuns:

• Mulheres que já possuem um histórico de depressão ao longo da vida.

• Mulheres com algum tipo de transtorno: transtorno obsessivo compulsivo (TOC), transtorno bipolar, transtorno alimentar, etc.

• Parto traumatizante, como por exemplo, ter sentido muita dor na hora do parto normal, cesárea feita de última hora, risco de morte de ambas as partes, etc.

• Gravidez em mulheres de pouca idade.

• Ingestão de bebidas alcoólicas durante a gravidez e depois do parto.

• Gravidez indesejada.

• Problemas familiares adversos, tais como: brigas entre parentes, perda de um ente querido, distanciamento da relação entre mãe e filha, entre vários outros fatores de vínculos familiares que possam fragilizar a mulher nessa fase de sua vida.

• Mudanças no tipo físico ocasionadas em decorrência ao ganho de peso no período gestacional.

• Insegurança com relação vida social e a rotina de trabalho que sofrerão algumas alterações por conta da chegada do bebê.

• Falta de liberdade.

• Noites mal dormidas.

• Situação financeira caótica. Falta de dinheiro para comprar o essencial para o bebê, tais como: fraldas, pomadas, lenços umedecidos e também para pagar contas para o sustento da casa.

• Brigas conjugais constantes devido a não adaptação da nova rotina familiar.

• Falta de apoio do pai da criança.

• Primeira gestação e os medos e dúvidas típicos dessa nova fase na vida da mulher.

• Medo de não estar preparada para socorrer a criança em casos comuns de engasgos, afogamento com o leite e cólicas de recém-nascido.

• Revolta por não poder trabalhar e ajudar o marido com as novas despesas da família;

• Dificuldade em receber ajuda de terceiros para ajudar cuidar do bebê e orientá-la quanto eventuais dúvidas.

Sintomas:

• Agitação interior;

• Ansiedade;

• Tristeza sem motivos que possam ser explicados pela própria pessoa;

• Falta de apetite sexual ou, até mesmo, nojo do marido;

• Irritabilidade aparentemente sem razões;

• Falta de apetite ou diminuição total da vontade de se alimentar;

mulher sem desejo na cama

Foto: (c) Can Stock Photo

• Sensação de que perdeu a liberdade;

• Comportamentos obsessivos, tipo: verificar a todo o momento se o bebê está dormindo, se está respirando, se está com a fralda cheia, cobri-la demais para que a mesma não sinta frio, não deixar que outras pessoas segurem a criança no colo, não gostar de receber visitas, etc;

• Isolamento social;

• Mau humor;

• Dificuldade em manter a concentração nas atividades executadas ao longo do dia;

• Constante vontade de chorar;

• Cansaço físico;

• Vontade de ficar deitada o tempo todo;

• Maus pensamentos com relação ao nascimento do bebê ou o contrário, vontade intensa de cuidar dele e querer colocá-lo em uma redoma de vidro para protegê-lo de todo mal;

• Grita com o bebê se ele chora;

• Vontade de sumir;

• Sentimentos negativos em relação ao bebê;

• Revolta contra o pai;

• Vontade de morrer ou até mesmo se matar;

• Falta de vontade de amamentar a criança;

• Insônia ou sonolência constante,

• Medo de ficar sozinha.

Tratamento

O tratamento de Depressão Pós-Parto pode ser realizado de duas formas conjuntas: através de medicamentos e de sessões de psicoterapia.

consulta médica

Foto: (c) Can Stock Photo

Medicação: os medicamentos irão agir diretamente no cérebro da mulher a fim de que a depressão que hoje aparentemente é algo simples não se torne, posteriormente, uma depressão crônica. A reposição de Serotonina, conhecido como o hormônio da felicidade, pode ser interessante. Vale ressaltar que a automedicação é prejudicial à saúde. Somente um médico especialista saberá te indicar a medicação adequada para o seu problema, levando em conta também o fato de você estar amamentando.

Psicoterapia: é interessante que a mulher que se encontra em um estágio de Depressão Pós-Parto procure um terapeuta para que assim ajude-a solucionar questões internas que afetam seu tratam com o filho e a novidade de ser mãe. As sessões de psicoterapia ajudam a mulher a elevar sua autoestima, bem como a superar os principais motivos que o levaram a esse quadro depressivo.

Fique atenta:

Caso você tenha acabado de ganhar um bebê e esteja sentindo alguns dos sintomas relacionados acima, procure ajuda médica o quanto antes. Não precisa ter medo ou vergonha. Faça isso pelo seu bem e pelo bem-estar do seu bebê. Encare o problema de frente e vença esse mal. Com certeza, obedecendo às recomendações médicas, você ficará livre desses sintomas e poderá tranquilamente seguir sua vida saudável e cuidando do seu lindo filho.

Por Flávia Montalvão / Edição: Dona Giraffa

Loading...
Seja o primeiro a comentar em Sintomas comuns da depressão pós-parto

Deixe seu comentário

Publicidade
Curta nossa fan page no Facebook
Publicidade
Publicidade

Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção. Antoine de Saint-Exupéry